sábado, 7 de novembro de 2009

Bazárov


[lustração Mel Kadel]
Acordei com o tempo em que Bazárov deixara cair suas anotações na escadaria da Российская Государственная Библиотека. Conforme previsto, pendurei meu ventre no Subsolo das Memórias, e ele escreveu por de baixo da minha saia: os limites da língua são os limites do meu mundo.
Alonguei meus sotaque russo até o domingo em que plantamos rosas amarelas na avenida LATIM e respondi: sujeito não objeta.

[no nosso singelo mafé da canhã, o sono das palavras dá de beber às árvores migratórias]

2 comentários:

Salamandra Malandra disse...

vcs se esqueceram de transpor o latim para alem das fronteiras limitadas. Talvez tal limite deva ser quebrado pelo almoço de luas fogosas, ou de sujeitos desajustados. grite minhas entranhas, sim.

fochesatto disse...

i.e.: a própria bíblia em si.