sexta-feira, 5 de março de 2010


Irmã,


Li seus ruídos atenciosamente. Embora não compartilhe de sua logística conceitual do rei dos apostos, externalizo minha complacência e benevolência aos fatos enlatados que revelaste em mantra fúcsiano. Adiciono à medida, minha gratidão pela prestação de contas na última campanha de doação de hipotálamos. Digo, convocarei o edital solicitado o mais rápido possível. Prometo empregar todas as suas conjunções recém formadas até o fim do mês passado. Vou impugnar também a comissão parlamentar, não haverá concorrência. Os conselheiros prometeram que seguirão meu conselho. Eles devem aprovar a moção de aplausos para antes mesmo do final do discurso. Outra coisa, não sei quem é que anda falando por mim, mesmo assim assino embaixo que pretendo ir ao seu encontro, a priori em embalagem de dois. Admito que mal posso esperar para conhecer o Camilo. Parcelei minhas próximas sete vidas pré-ocupada com a forma e o jeito que ele tem. Se fala baixo, se pede o cardápio, se desfaz descansos de copo enquanto enche e esvazia copos, se faz planos plácidos, se veste aquele abismo que o enviei no último aniversário, se ganhou dous troféis graças a qualquer talendo inoxidável no manoseio de palmitos, se é clint eastwood com mais praia, enfim. Por favor, cuide da alimentação (hoje mesmo comi algo que não me caiu bem), e reserve a sombra para meu triciclo, ou me espere na nossa velha árvore inflável.

Irmã

3 comentários:

Salamandra Malandra disse...

moção, moção, moção de apóstolos.
una drinketa quiremia una parcita quiremia una danceta

Hernandes disse...

convencida dos argumentos esposados em sua última declaração de imposto de renda, em que pese haver dois pesos e cinco medidas, das quais escolho a medida de emergência, manifesto-me favorável ao encontros à sombra da nossa árvore.

Sabrina Gahyva disse...

((sim))