segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

É que eu tenho um pouco de pássaro. Que passa.
Descobri isso hoje, quando vi um esquilo-tigre-tatu-bolinha.
Ele atravessou a rua sem olhar para atrás, até
fazer-se árvore no pardo da falta de folhas.
Depois olhei para o lado e uma espécie de rio.
Ria.
Meio molhado.
Meio congelado.
'
Assobiei, pingando a paisagem.
Em cima de um verbo.
De agramática.

2 comentários:

Lorenzo Falcão disse...

Ei, pantaneira, acho que por um triz não nasceste uma linda nandaia...

Sabrina Gahyva disse...

por um triz não nasci cadeira de balanço.
pra ficar na varanda olhando pro nada, confundindo no fogão a lenha ficção com realidade.
sabe?