domingo, 6 de fevereiro de 2011



bebi um copo de silêncio pra ganhar o gosto grosso de tua barba em minhas costas.

o dia em que contei sobre meu desespero você desejou o esquecimento, mas só o fiz por solidariedade

a mim.

nutria-me, o teu sofrimento.

bebia teu desejo cravando-te as unhas antes de tecer grandes fios de tédio.

pintamos uma quadrilha tão frouxa quanto o laço de meu vestido em tuas mãos.

estamos sós e m'esqueço aos poucos

que só retrato os amores que mato.






6 comentários:

4rthr disse...

azul massagem

Katyussa Veiga disse...

abro caminho pr'um golpe

Guilherme Mello disse...

'só retrato os amores que mato.' isso ficou na minha cabeça, demais.

stella disse...

que cúando a gente corta, sangra.

Berzé disse...

Sim, porque não?
BerzéHQ

fochesatto disse...

/quit tri vôte.