terça-feira, 5 de outubro de 2010

Cânticos Corsários

Não cabe a mim culpar aqueles que tinham boa vontade comigo, que tentaram me ajudar. Mas sentia, do fundo do meu universo, uma imensa vontade de cuspir na face dos que se atreveram a me desejar o bem.

Não posso me culpar por ser de trato tão difícil. Em conversas que mantive comigo, reconheci que sou áspero, sem travas na língua e que me indispunha facilmente com as pessoas. Pediam-me bom senso, bons modos, contenção. Respondia com desdém, irreverência e excesso aos apelos da gente de classe média bem comportada, branca e heterossexual, que se orgulha de suas esquizofrenias sociais.



Mas a minha maneira era um aristocrata, mesmo sendo complexo e difícil como a sífilis.

(Atchim memories)

2 comentários:

fochesatto disse...

peço licença pra lavar teus pés com éter e secá-lo com o nariz.

Salamandra Malandra disse...

u can do what ever u want honi, desde que os sonhos sejam embalados/molhados em escadas rolantes, ao som www.antonyandthejohnsons.com