domingo, 19 de setembro de 2010

A Prostituta Violinista em: Peur de la mort

Para ouvir: William S. Burroughs - Tain't no sin (Tom Waits Music)



Photo: Duas Putas (1928), Christian Schad

...e escrevo isso porque até nós, putas de bucetas alargadas e de olhos secos, sofremos diante do abandono de nossos senhores

Sigamos então nossa boring visita a este mundinho de merda. Faça-me um favor: ressurja das poças enlamaçadas pelo tempo que já se foi e cansou de morrer; espere algo entre a forca e o sorriso e inicie pela questão: é preciso respirar? Há o horizonte e há o sexo, não há? E chegará o dia em que nos cansaremos da morte, asesino? Contudo me poupe das estúpidas respuestas. Agite a cinza da estrela, retire-a do seu eterno crepúsculo, de-lhe ar rarefeito, ponha-lhe um vermelho de coisa viva, do mais negro sabor, da mais rubra subversão. Sigamos por certas ruas quase ermas (agora somos dois, ongle et viande), abarrotadas de estrume e mendigos, e através da insípida umidade e do distinto calafrio, gritemos como cães em cio: Ave César!
Vá, procure a ferida mais longínqua, a mais dolorida, procure-a por noites e madrugadas e se esqueça das respuestas, meu prostituée de olhos-verdade, de face trêmula esquartejada pelo tempo.

...um pálido rosto acordado à luz da lua chora Corinto, enquanto Afrodite nos ordena a prática da prostituição religiosa

Reveja e retire o mofo da moral de nossas fotos antigas, proteja o agora e se acovarde diante dos outros tempos; esqueça o futuro: ele não existe - enquanto os dedos enforcam aquilo que me distingue das fêmeas e dos machos. Há a apenas o reflexo constante e brutal do passado pungente, há apenas o passado, e o presente, sobre o qual caminhamos vacilantes sobre as cinzas do passado, a poeira do tempo. Fuja da dor imensa e ululante e se cubra de mantos sagrados, cinja sua alma e forje seu respeito calçando-os sobre o meu penar. Faça a morte regurgitar, faça-a parar, faça-a morte voltar ao passado onde era vida, faça a sorrir os sorrisos infantes e belos, e retire de mim para sempre a angústia da morte porvir, porque todas as outras experimentei ao teu lado. Mas ainda haverão de vir novas mortes, novos pesares, novas lágrimas, e eu me renovarei na tristeza de cada morte, pois sou feito, a fogo e ferro, de caos e ordem.

...e de noites indormidas em hotéis baratos

Pois então sigamos a cumprir nossa visita. Realizemos o desejo alheio e vamos dar aos vampiros um tanto de nossa desgraça. Vamos rezar perante a eles nossas intimidades e vamos procurar fazer bem feito, pois não queremos decepcionar ninguém, certo? Correto. O fogo e o ferro. Todos a espera da lâmina que almeja o corte da carne flácida, a espera da chama que a tudo renova. Queimaram-nos a testa, agora é tempo de nos queimarem por inteiro! Porque só o fogo nos salvará, e só a lâmina poderá nos privar, novamente, da morte estúpida. Vejo a pomba, suja, suja pomba. Sobre você, empoleirada sobre teu ombro esquerdo, a lhe dizer absurdos de um imbecil assexuado que não te ama, que não te quer e não se apraz de ti, porque não existe.
Correto?
Certo.

...as mulheres rogam por ti querido Macau;
Ouça o canto das sereias ao infinito: mira a vontade do amor? Sucumba a minha língua adestrada, que te acaricia as vontades.


Ausculte todas as frases e me coloque em sintonia para receber todas as revoltas porque eu sim entendo todo o mal e subjugo o entendimento. Não preciso mais caminhar: tenho tuas palavras, e elas devem me bastar. Estúpidas palavras, porém. Já as ouvi anteriormente, em sonho. Eram proferidas pela pomba, de asas brancas, mas que na verdade não tinha cores, pois não havia asas. A pomba era uma farsa, que ressoava em uníssono de mãos dadas a grande boca ignorante do mundo. Ela ressoa em você, e agora eu não luto mais contra a morte. Espero-a e vejo away de mim mesmo, tentando olhar pra um dentro que não existe, que devo me bastar a você. Sobretudo, porque as chamas nos salvarão da vergonha alheia, pintada nos dentes espelhados dos vampiros que nos cercam.

...por entretanto, só o coito nos foi justo

Eu vejo distante, pois tudo conheço com estes olhos que agora te miram: sei do teu apreço e sei da tua covardia - e percorro tuas noitadas regadas a jasmin e a porra semi-quente. Mas te perdoo homem, pois é apenas um homem. Tu também és feito de carne e de 480 réis, e sofre de coisas que o coração sente. E tens um órgão chamado caráter, que tudo te nega. A felicidade não existe, homem meu: existe a morte e a junção de dois termos sobre a cama. E se elas se chamam vida no passado, corredor no presente, certeza no futuro, temos que nos conformar e comprar os ingressos do circo. Hoje é noite de palhaço e sei eu que a morte vira pelo corredor da vida, acorrentada a seu vestido soturno, flutuando acima das partículas do tempo e de ceifadeira em mãos, lhe convidando para tomar um chá. Eu na sala ao lado, estarei drunked again, de pernas abertas, a lhe esperar. Poderá você recusar qualquer uma dos dois termos?
Não, certo?
Correto.

Pois então lhe direi o que é preciso ser dito: a morte mora em você e em mim. Mora em todos nós. Não me olhes de cima e me julgue em sentenças únicas, em espaços temporais. Estarei sempre ao teu lado, como matéria prima do universo, Sempre. Um dia seremos flor e raiz, outro planeta e satélite. Um dia seremos infelizes, noutros também. A gloriosa certeza é que um dia morreremos, e voltaremos a ser o suspiro da Putrefação. Beijaremos sua manta, e estaremos quites, provisoriamente, com a fome dos vampiros. Perceba o escuro que nós abraça a cada segundo que se esvai pelos dedos da penumbra do tempo: o deus da pomba is a gambler, e ele sempre esteve entediado. Eu nunca te quis amor, assim como ele nunca nos quis vivo.
Não somos eternos, certo?
Correto.

Ponha seu terno e descalce o pé, mate a pomba e desça do pedestal, todo homem é ignorante, não sabe nada, da vida não conhece o sentido, e eu já não me basto a você, correção: eu não me basto ao mundo. Ousarei eu agora a chamar a Salamandra do fogo da chama, acordarei eu a vida que reflete seus olhos de água de mar, mas não correrei contra o tempo. Sentarei na rede da desistência e balançarei para o ‘Jamais’ a sorte da dor, me entregarei novamente aos meus desejos e aos meus questionamentos, responderei todas as perguntas que forem feitas a mim e passarei manteiga no pão. Tomarei café feito pela secretária do chefe porque ele gosta de me ver submisso. Tentarei ao máximo entregar tudo o que puder sobre isto ou aquilo que se passa dentro e fora do que sou. Não magoarei ninguém, mas meu deus, devo ser eu temente a todos como sou a ti? Serei uma felicidade continua para aqueles que me querem bem, que me querem feliz? Tudo bem: rogarei pela felicidade, mesmo desconfiando dessa merda toda e destacarei, se me atrever, e se ousar, e se vier a me engrandecer, todas as qualidades do mundo, e direi que elas refletem você. Agora, poderei eu dizer que acredito em tudo o que digo? Não sou eu o maior mentiroso dos mentirosos, não estou aqui eu neste pedaço de terra, sobre pés encardidos, carregando em uma alma fraca e insolente, o pedido de todos os clamores? Tenho que ser ousado, pois já não basto a mim mesmo. E mesmo que tentasse ouvir tua pomba a defecar sobre o poleiro e a dizer coisas belas, posso eu ignorar a inexistência da felicidade como você tenta vende-la pra mim?
Devo eu continuar a atender a sede do meu corpo santo pelo leite que jorra do seu mastro imaculado?
Seria querer muito pedir permissão para que eu possa continuar a me tocar desenfreadamente, enquanto visualizo tua nuca suada?
Explique essas coisas aos meus absurdos.

...

Ponho-me agora a abraçar o universo e me retiro para o Desconhecido
‘porque só ele é verdade, disse-me Eliot’
ando em sapatos que brilham e meu terno está engomado
deixo um pouco de luz entrar em minha cabeça,
Sorrio com malícia e descrença, olho para baixo (sempre se deve ignorar o firmamento!)
e desfiro um pedido: deixa-me.

..en effet, o que me deixa mais triste é o fato de ser feliz

4 comentários:

árvore disse...

prefiro não me despedir. é um hábito. ou uma mania, tal qual me perguntou aquele dia. prefiro não me despir. exceto cúando estamos nos reencontrando vestidos com calças de R$ 1.490 por R$ 149.

Salamandra Malandra disse...

Sabe, quando se compra o mundo com cartões de crédito, tudo depende da marca da máquina. Se é Cielo Sasa, está tudo bem, não precisamos nos despir/despedir.

fochesatto disse...

"um danoninho, por favor!"
sacanagem 15, versículo 69.
www.youtube.com/watch?v=-y_OGdeU2IU

Salamandra Malandra disse...

Only with cobertura de estriquinina sabor Halls Morango.
putaria 24, testículo 02.