segunda-feira, 3 de maio de 2010

o aprendiz de significações ou palavras regadas ao vento

para Manoel de Barros




despertou bem cedo


]]]....como a manhã.... [[[
]]].....a sonhar dia..... .[[[
]]]...além das janelas...[[[


e soprou decidido:
...............................vou cultivar palavras
......................................................(semeá-las em jardins
....................................................................de silêncios
....................................................................até criarem
........................................................................ ..formas
......................................................................... ...cores
................................................................... e crescerem
.............................................................................. vida
.................................................................... .. .em frutos)


Aprendera com o menino do mato
que as palavras cabiam melhor

quando sentidas soltas no campo

com os pés lavrados marrom de terra
com brilho de sol
dia todo
para levantar
de novo
enxugando peso-gota de sereno


banho só de chuva
do lado de fora
em pleno canteiro


violetas, petúnias, girassóis


junto aos animais menores
perto do coração da pedra


(palavras gostam de dormir
aos olhos cheios das estrelas
que sempre abraçam a via-láctea)




Agora, assim, sabia
jamais conheceria palavra fechada
que não guardasse princípio de gosto
sem flor, sem broto
sem estações por alegrar


palavras

pelo jardim

regadas ao vento


espalhar suas letras

formar novas palavras

romper cascas sem feridas

tratar com o verde


bicos de pássaros

sapos grilos cigarras

abelhas e um beija-flor



palavras cultivadas

soltas no jardim

nunca mais esconderiam

amor maior que a dor

no desmanchar das tardes

6 comentários:

thaise disse...

lindo Jadoca!!!! :)

"agora, assim, sabia jamais conheceria palavra fechada que não guardasse princípio de gosto sem flor, sem broto sem estações por alegrar"

"romper cascas sem feridas"

"palavras cultivadas soltas no campo nunca mais esconderiam amor maior que a dor"

essas três partes foi as que gostei mais... =) mas o poema inteiro tá um luxo!
saudade :*

Salamandra Malandra disse...

vc faz da vida uma estrada, do caminho, um campo de letras em fonte maior.
o meu navio se atraca a corpos ditosos, e o vento sopra por debaixo dos meus lençois. vou cultivar palavras também.

pedrinha disse...

vocês, que me acordam os sorrisos.

fochesatto disse...

très bien, chérie.

mari dutra disse...

me sinto sentada na grama.

Salamandra Malandra disse...

attosechof todo batalhado na língua mãe do travanês.