terça-feira, 1 de abril de 2008

me deixa


o que é que você pensa
que vai encontrar na minha poesia?
o que você procura em meus versos?
o que você quer do meu eu poeta?
ora, francamente...
vai procurar o que fazer
e larga mão da minha poesia.
.......................me deixa!
quero ficar sozinho,
que poeta é bicho solitário:
eu e minha poesia nos bastamos,
somos bastantes e bastardos
dentro e fora do mundo

..............lugar comum.

..............me deixa...
deixa eu encher sua cabeça
.......................de versos
.......................e minhocas.

*Medusa de Caravaggio ilustra este poema... poetas podem até ter minhocas na cabeça, mas no reino das palavras são cobras criadas...

4 comentários:

Sabrina Gahyva disse...

escrevendo se goza desse mundo.
né?

Don Fernão disse...

Caralho, mano!
dá pra entender cada palavra,
como se fosse prosa, e isso é bom.
Ler a poesia dos outros é aceitar a sua própria manifestação... Complicaaaado...
É só uma opinião, mas como é bão!
Minhocas, medusas, lugares comuns... não precisa pedir permissão. Prestar atenção é compartilhar humanidade e isso vai além de qualquer comunicação.

Anônimo disse...

compartilhar é palavra mágica pra poetas... 'beijo' vai virar música por amauri lupus...

Anônimo disse...

"beijo" não, desculpa... "me deixa"