segunda-feira, 17 de setembro de 2007

Reino dos ismos

públio.morales.

Sentia-se quase e nada.

Para relembrar o que não aconteceu calçava suas botas cor de pálido

e declamava poesia com eu lírico anônimo.

A falta de versos dava choro nas faixas de pedestres.


Só elas entendiam a beleza de não ser.

Um comentário:

henrisantos disse...

beleza de ser